Como Fazer uma Monografia
Cláudia Dourado de Salces [1]


Não há como escapar dela! Mais dia menos dia, você terá que enfrentá-la. Estou falando da tão famosa MONOGRAFIA! Alguns a chamam de TCC. Afinal, o que é isto?

É o tratamento escrito aprofundado de um tema de determinada área, científica ou não, descritivo e analítico, onde a reflexão é a  tônica. Apresenta formato pré-definido e normalmente se organiza de uma das seguintes formas:

  • uma revisão bibliográfica abrangente de um determinado assunto;

  • uma revisão bibliográfica, complementada por um estudo de caso da aplicabilidade de uma técnica ou abordagem estudada;

  • uma revisão bibliográfica associada à investigação de formas de solução de um determinado problema.

A primeira coisa que você deve fazer é escolher o assunto, selecionado dentro das matérias que mais lhe interessaram durante o curso e que atendam às suas inclinações e possibilidades. Mas não se descabele por pensar que você não é tão criativo para inventar um tema, pois não é necessário que sua monografia apresente resultados inéditos. Mas isso não significa que você pode plagiar!   

Definido o tema, você deve partir para a fase de pesquisa bibliográfica das obras mais importantes da área em que sua pesquisa se insere. Além de pesquisar em livros, revistas, artigos, trabalhos científicos, pode também lançar mão de periódicos eletrônicos tais como www.periodicos.capes.gov.br, www.dominiopublico.gov.br, www.scielo.br, www.revistafapesp.br, dentre outros.   Esta etapa é a parte fundamental da monografia, pois você irá compilar todo o material que lhe fornecerá não só a fundamentação teórica, como também a solução do problema estudado. Daí a importância de uma revisão bibliográfica.

O texto monográfico deve proporcionar ao leitor uma fonte de estudo em um assunto e fornecer desde os conceitos fundamentais da área até uma visão mais aprofundada dos conteúdos que a compõem. A exposição das idéias deve ser clara, concisa, objetiva, condizente com a redação científica, sem opiniões pessoais ou juízos de valor sem fundamentação. Evite períodos extensos e tome cuidado com o vocabulário técnico, para que seu texto não fique muito impenetrável ou pouco compreensível.

Os verbos devem ser utilizados na terceira pessoa do singular, ou optar-se pelo sujeito indeterminado, como por exemplo: “Vê-se, na atualidade”, “Observa-se a onda crescente de violência”. JAMAIS use 1ª pessoa: “Penso que”, “na minha opinião”.


O esqueleto básico de uma monografia:


1. Introdução
Apresenta uma contextualização sobre o assunto do trabalho. Não é apenas uma descrição dos conteúdos das seções do texto. Deve resumir o tema, expor os objetivos e justificar a relevância do estudo dentro da área na qual se insere. 

2. Revisão do estado da arte/ Revisão bibliográfica
Apresenta as idéias relacionadas ao assunto dos principais autores da área, e não discuti-las ou criticá-las. A organização da revisão permite, posteriormente, realizar compa-rações e análises, levando a uma melhor compreensão do assunto.

Todos os trabalhos revisados devem estar associados à fonte de referência no texto, como por exemplo: Segundo Amaral (2002). A referência completa deverá estar incluída na bibliografia.

3. Análise de dados
Nessa seção, deve-se explicar quais foram os critérios de seleção e análise dos dados. Pode-se relatar também as principais dificuldades operacionais para a realização da pesquisa ou de alguma fase dela. Se houver necessidade, utilize tabelas, figuras, quadros, estatísticas etc., que devem ser necessariamente citadas e analisadas ao longo do texto.

4. Resultados
Se a monografia aborda um estudo de caso, essa seção deve descrever os resultados da utilização de determinada técnica ou abordagem descrita na seção anterior. Deve ser farta em dados objetivos que demonstrem a vantagem dessa abordagem sobre outras citadas na Revisão Bibliográfica, por exemplo.

5. Conclusões
Apresenta, normalmente, três tópicos básicos: sumário dos resultados, contribuição do pesquisa/abordagem e estudos futuros.

6. Referências bibliográficas/Bibliografia
A lista de referências é estreitamente relacionada à revisão do estado da arte do ponto 2, além de incluir os autores citados em qualquer outra parte da monografia.

Deve conter, ainda, as referências dos trabalhos de onde foram extraídos dados, figuras, tabelas, etc. As referências devem ser listadas no formato ABNT[2].

7. Anexos
Os anexos incluem todo o material que impede uma leitura rápida e compreensível do texto da monografia, mas que é necessário para dar suporte às análises e conclusões. Normalmente são materiais muito detalhados para serem incluídos no texto, como tabelas de resultados de teste, imagens acessórias, textos-base etc.

Quanto aos elementos pré-textuais como Capa (obrigatória), Folha de Rosto (obrigatória), Dedicatória (facultativa), Agradecimentos (facultativa), Epígrafe (facultativa), Sumário (obrigatório) etc., geralmente o professor orientador é quem define como estes devem se organizar.

Há bons livros no mercado voltados especificamente para elaboração de monografias. Talvez o mais conhecido deles seja Metodologia do Trabalho Científico, de Antonio Joaquim Severino, Cortez Editores. No entanto, há dezenas de livros do gênero. Vá até a biblioteca de sua faculdade, que, com certeza, há algum deles esperando por você lá.


[2] Veja maiores detalhes sobre a organização dos diversos tipos de referências bibliográficas em http://paginas.terra.com.br/servicos/monografiaabnt/

 

 
 
 


AG || FUTURO